terça-feira, 14 de agosto de 2007

Em busca do Velho da Carrocinha de Lenha - Capítulo 4

A história deu uma engrossada. O leitor/a pode decidir entre os 3 caminhos propostos. Vou começar desenvolvendo o primeiro, onde Dario inadvertidamente presencia um ritual místico e toma uma pancada na nuca que o faz desmaiar. Tá ficando complicado, tem que pôr em ordem, mas é só seguir os capítulos.

Opção 1 (continuação) Escolha:
1a) se Dario descobrirá segredos esotéricos, envolvendo bruxaria
1b) se será submetido a um julgamento surrealista, onde sua existência será questionada. (Essa não deu pra fazer hoje)

1a) O Escolhido
Dario abre os olhos. Tenta se mexer mas percebe que está com mãos e pés atados a uma cadeira. Seus olhos estão vendados. Ele grita: "Pelamor de Deus, o que está acontecendo? Eu não fiz nada, só segui o cara na carroça por um pouco de lenha." O silêncio reforça o desespero de Dario: "Por favor, não me matem, eu não vi nada, não sei quem são vocês e..."
"Estávamos te esperando, Dario Bosside." Uma voz masculina, grave, forte, experiente.
"Há muito tempo, aliás. Acompanhamos sua infância perfeita, muitos mimos, o mal que os mimos te causaram quando entrou na adolescência, a juventude confusa, a recusa em amadurecer, seu estado atual de desorientação. Estávamos preocupados, por outro lado sabíamos que teria seus percalços num mundo como esse, você não foi feito pra ele, todo potencial Sacerdote tem as mesmas dificuldades".
"Como é que é? Sacerdote? Vocês estão vendo muito telecine action. Gente, esse papo parece texto daqueles filmes de suspense bem ruins. Vamos cortar a besteirada: que é que querem de mim?" A voz ignora Dario e continua:
"Com o tempo ficou claro que uma hora ou outra você encontraria seu centro, o momento em que se revelaria de onde vem realmente e qual seu papel. Esse momento chegou, meu filho. Você não é quem pensa ser, sabe apenas parte da história. Sabe que foi adotado ainda muito jovem, mas não tem idéia de quem sejam seus pais biológicos. Eram pessoas muito especiais, que abriram mão de suas vidas para gerar o líder que vai possibilitar mudanças tão radicais que, por enquanto, você será poupado de conhecê-las. "

Bacchanalia, por Auguste Léveque (1864-1921)

"Para sua total compreensão é necessário que voltemos aos tempos da Roma antiga. Naquela época, Dario, antes de a Igreja Católica começar o massacre de todos cultos pagãos, as mulheres celebravam seu poder em cerimônias secretas, conhecidas como bacanais. Pouco a ver com a conotação atual do termo. Cultuavam Baco, Deus do Vinho em festividades onde predominava o hedonismo. Você quer fazer fogo, não é, foi isso que o trouxe aqui. Sabia que as bacantes mergulhavam tochas acesas nas águas do rio Tibre e mesmo assim não apagavam?"
"Até que surgiu Paculla Annia, uma sacerdotiza italiana do sul, que mudou totalmente a natureza das bacanais. Foi ela quem autorizou a presença masculina nos ritos, transformando-os não só em festas do vinho e da libertinagem, mas em celebrações em homenagem à Mãe-Terra, à vida, à liberdade. Houve relatos de telepatia e clarividência nesses eventos. Não demorou muito para a popularidade de Annia chegar aos ouvidos das autoridades romanas, que, sentindo-se ameaçadas, proibiram as bacanais em 186 A.C. Pouco se sabe sobre Annia depois disso, exceto que teve dois filhos."
Dario não sabia o que pensar. Aquelas pessoas loucas o agrediram, sequestraram, e mesmo assim ele começa a sentir-se mais à vontade e tranquilo. Na verdade, Dario estava adorando a história.
"Com a perseguição às bacantes se intensificando, fazia-se necessário reunir as melhores sacerdotizas em uma Ordem Secreta, para manter vivas suas tradições e sabedoria. Criou-se a Ordem Divina da Manticora, criatura mitológica oriunda da Pérsia. Com corpo de leão, cabeça humana e cauda de escorpião, ela tornou-se para nós o símbolo da capacidade feminina de não apenas nutrir e proteger, mas também de atacar e destruir. Em cada mulher residem os pólos opostos cujo equilíbrio é determinante na harmonia do cosmos".

Já quase se divertindo, Dario pergunta "kikotenho a ver com isso?"
"Já prestou atenção em seu nome, Dario Bosside?" "É de origem francesa." "Ah, é? Já ouviu falar em alguém com esse sobrenome? Você já esteve na França, conheceu algum Bosside?" Não, Dario nunca tinha ouvido falar em Bosside nenhum.
"Meu filho, você é uma pessoa singular, comprovadamente descendente direto de Paculla Annia. Há apenas mais uma pessoa que conhecemos com a mesma ascendência e quando conhecê-la, uma bela jovem, por sinal, vocês serão coroados Rei e Rainha."
"Rei do quê? Vocês são loucos! Maldito Código da Vinci, aposto que leram o livro e tiraram essas idéias alucinadas dele."
"Sabe o que é um anagrama? Rearranje as letras do seu nome e terá: Rei dos Diabos."

Meu Deus do Céu, sou o Rei dos Diabos... Dario pensa. Explica que aquilo é obviamente um grande baque, que toda aquela tensão o deixou com vontade de ir no banheiro. Ele é desamarrado, e ainda vendado, é acompanhado por uma pessoa para um canto mais afastado da tenda. Pede licença ao "guarda", não consegue urinar com alguém olhando. Aí ouve um baque surdo, seguido de um grito de dor. Ele retira a venda e vê o capanga desmaiado no chão. Do seu lado, um velhinho com uma bengala na mão. Muito parecido com o garoto da carroça de lenha. Parecido demais até. "Vem comigo, minino. Essa gente num presta. Meu cavalo corre que é uma beleza". Dario sente a visão turvar-se por um momento. Sua sanidade sendo posta à prova: aquele velhinho é o mesmo jovem da carroça que perseguiu.

E agora? Foge com aquele ser de idade indefinida, correndo o risco de ser pego? Ou evita o carroceiro e volta para a tenda onde é "Rei"?

5 comentários:

Thiago Quintella disse...

Quanto a esssa história, a fim de escolher alguma sequencia, terei que esperar o próximo capítulo e ler os anteriores, coisa que farei, seguramente, após gravar seu blog nos meus favoritos. Mas desde já percebi algo que gosto muito: transportar para os diálogos atuais as situações de antanhos, hehehe. Obrigado pela visita ao Canis e, se der, volte lá porque Van Gogh nos deu uma contribuição ao assunto :)
Abraços!!

Edson Marques disse...

rumblefish74,

Voltarei amanhã para continuar te lendo.


Belíssima proposta!


Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.


Abraços, flores, estrelas..


.

Lidiane disse...

Queria saber de onde você tira tanta imaginação e esse nomes todos!
Adorei as imagens (isso parece meio óbvio?).

Sabe, queria realmente saber de você, a resposta para a pergunta final que faz no texto.
Realmente.

Um beijo sabor Nutella.

Adão Flehr disse...

Agradeço à sua visita ao Prosa Eletrônica, como também à recomendação de nossa amiga, ela é muito gentil! Não sei se vc percebeu, que tbm temos o layout em comum... o que não é nada incomum... mas eu gosto de coincidências!
Achei bem interessante os seus textos, li o cap. 4 e vou voltar para ler o começo da série.
Volte sempre ao Prosa, será um prazer.

luma disse...

Dario fica em dúvida se acompanha o velho ou não e pede-lhe uma prova. Quer saber se ele real ou apenas um ser criado pela sua imaginação.

(...)

Dá para explorar muita coisa na sua história. A proposta está muito boa!!

Beijus