domingo, 11 de fevereiro de 2007

Historinha edificante

Não posso afirmar com certeza que essa história é verdadeira, mas gosto de pensar que é. Dizem que no final da Segunda Guerra, com os alemães já em franca desvantagem, antes de se retirarem de Paris decidiram deixar uma marca indelével em uma das mais belas cidades do mundo. Pouco antes de baterem em retirada, toneladas de explosivos foram posicionados nos mais importantes cartões postais da cidade, como a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo, o Louvre, a ponte Alexandre III e sei lá onde mais. E um soldado nazista ficou incumbido de detonar as bombas. Só que quando ele se viu sozinho, rodeado por aqueles monumentos maravilhosos, provas de que o Homem não é só capaz de criar mecanismos de destruição, mas também de erigir coisas belas, não teve coragem de apertar o botão. E graças a esse soldado anônimo a cidade-luz foi preservada para as gerações futuras e ficamos com a impressão que multidões podem ser estúpidas e irracionais, mas o indivíduo sabe discernir o certo do errado, não importa de onde venha. Enfim, ainda há esperança.

4 comentários:

Lidiane disse...

Também gosto de pensar que é verdade.
E sim, ruivo... sempre há esperança.
Ever!

Lidiane disse...

Esqueci do beijo.
Beijo, enton.

Let disse...

Estou tão decepcionada com as pessoas q acho q essa história é mentira!! :(((

darwin disse...

Olá.
Teria o soldado se arrependido ao perceber que sua vida começara a correr perigo?
Que verdadeira bomba jogaram na mão dele hein.
Ah, dos que eu li até agora gostei muito do Laranja Mecânica. O Estranho no ninho me fez vibrar muito, mas acho que faltou alguma coisa.
Estou lendo O processo do Franz Kafka, gosto das obras dele.
O próximo será o Vastas emoções e pensamentos imperfeitos. Sei lá que fome de leitura é essa. Talvez a necessidade de isolamento.
Té.