quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

Jim Jones vira hype e os Evangélicos fazem cara feia

Extraordinário. Formidável. Supimpa. Num blog quase esquecido pelo próprio autor, um obscuro post escrito há mais de dois anos ganha comentários de mais de uma dúzia de internautas, um recorde. Muita gente não gostou do texto. A esses arautos de seitas evangélicas tenho o seguinte a dizer:

Em momento algum comparei a seita de Jim Jones a qualquer tipo de crença. Acho que se ofenderam com o trecho: "assim como muita sensata hoje em dia embarca na barafunda dos televangelistas, na época muitos o levaram a sério". Vivemos tempos contraditórios, com inversão de valores e tudo que isso acarreta. Como é tudo muito confuso, abraçar um pacote de dogmas pré-estabelecidos e não questioná-los parece ser a solução mais fácil, ou mesmo mais sensata. Mas sempre há um preço (além do dízimo, he, he), cada escolha é uma renúncia, e no caso seria a adoção de uma mentalidade bitolada, intolerante, que carece de empatia. Que mal há em aceitar o Deus na concepção Kardecista, por exemplo? Se alguns se identificaram com seguidores fanáticos que gradualmente foram abrindo mão de suas escolhas até não terem nenhuma, não seria hora de fazerem um exame de consciência? Obviamente ninguém seguiria Jim Jones se soubesse que no fim seria obrigado a se matar. Mas, cá entre nós, a sua igreja às vezes não induz a certos procedimentos que uma vozinha lá no fundo da sua mente diz: "será que isso está certo mesmo?"

Por outro lado, sei que Jesus foi das pessoas mais iluminadas que passaram por aqui. O problema foi a forma como usurparam e usurpam sua palavra.
Além do mais, o post pouco tem a ver com religião. Não queria discutir as opções pessoais de ninguém, mas o tom raivoso dos comentários me fez questionar essas pessoas.

Ser chamado de "repórter" afagou meu ego; na verdade sequer concluí meu curso de comunicação na PUC e trabalho como professor de línguas estrangeiras.
Houve também quem duvidasse da veracidade das informações. Quanto a isso não posso garantir nada. Minha fonte principal foi um livro chamado "Conspirações", escrito por Edson Aran. Um tipo de míni-enciclopédia muito bem humorada com verbetes como: "Nazistas pilotavam ufos", "Elba Ramalho e os ovnis" e "Paul McCartney morreu em 1966". Portanto, apesar do relato sobre o Caso Jim Jones basear-se em fontes confiáveis, não levem a história tão a sério.

Mas lembrem-se de uma coisa: o fato de algo sair na Veja, na Folha, no Jornal Nacional, no Fantástico ou na CNN não o torna uma verdade absoluta. Desconfie de tudo. Inclusive deste blog, parafraseando o Aran.

4 comentários:

!)Lucas Monteiro(! disse...

Pois eh...religião sempre eh um tema polemico!
Mais fazer o que neh....essas teorias sempre nos deixam com a pulga atras da orelha!

!)Lucas Monteiro(! disse...

rumblefish74
Valeu pelo comentário e não fiquei ofendido, vou tentar melhorar minha escrita.Quem sabe até um revisor!uaehhahae
Volte mais vezes vamos trocar umas idéias!Você me parece bem inteligente e questionador!
Tem um bom gosto pra filme tb!
EH bom isso!abraço

Anônimo disse...

Pisquilo,o que faz um homen com tamanho talento se dissipar em sonhos?O que faltou para um grande sonho se tornar realidade,além da realidade?










O q faz um homem com tanto talento, se dissipar tanto em "sonhos"?O q faltou para uns grandes sonhos se tornarem realidade, além da própria realidade?
"Quando nos ocupamos do q. é urgente e próximo, as soluções se revelam." Grandes talentos são presentes raros.
Um grande abraço,de seu amiga.

Jest nas Wielu disse...

Aviso que gostei tanto de seus escritos que vou citá-los no meu sítio, além de reproduzir parte de um post que julguei assaz interessante (o que fala do alfabeto cigano), com os devidos créditos, é lógico. Por favor, me respondam!

Oi, com certeza, pode citar qualquer materia do seu interesse, apenas peco que cite a fonte. Neste momento estou na Africa do Sul, cidade do Cabo, mas quando voltar para o Mocambique, poderemos tratar de trocarmos os links entre as nossas paginas.

Abraco,
JNW