sexta-feira, 29 de dezembro de 2006

Mitologia Egípcia - Thoth (parte 8)


Ele tem tudo a ver com o último post, por isso resolvi voltar aos egípcios. Caracterizado como um homem com a cabeça de íbis, Thoth é o Deus do Tempo, da Sabedoria, da Escrita e da Lua. Se tivesse que escolher um Deus egípcio como "padroeiro", seria ele. De acordo com a tradição, Thoth inventou os hieróglifos, mediu a Terra, contava estrelas, era o escriba dos Deusas e o guardião de todo o Conhecimento - o tão procurado bibliotecário do conto de Borges. Ele iluminava as noites, protegeu Íris em sua gravidez e curou Horus quando Seth arrancou seu olho esquerdo (para saber a história inteira, leia os posts na sequência a partir de 1 de junho). O íbis é um pássaro de bico longo e curvo, usado para pescar peixes em águas rasas. O modo como o pássaro executa esse ato assemelha-se a um escriba molhando a pena na tinta.


O livro de Thoth possui dois feitiços. Se você ler o primeiro em voz alta vai aprender a língua dos animais (isso seria uma mão na roda pra mim, que tenho 10 bichos de estimação). O segundo feitiço traria os mortos de volta à vida. O Príncipe Setna, filho de Faraó, sabia que o livro estava escondido em uma tumba na Cidade dos Mortos. Junto com o irmão Anhurerau, invadiu a tumba de Neferkeptah, onde também estavam as múmias de sua esposa e filho. A mulher advertiu-os quanto ao perigo de se apossar do livro, que seu marido o havia pego e lido os feitiços. Enfurecido, Thoth descobriu o furto e como punição afogou ela e seu filho no Nilo. Neferkeptah
se matou. Setna ignorou-a e dirigiu-se ao livro.

Setna exige o livro

A múmia do marido despertou e o desafiou para uma série de quatro partidas de damas (sim, esse jogo é literalmente mais velho que rascunho da Bíblia). Se Setna vencesse, levaria o livro. Perdeu a primeira e começou a afundar na areia; perdeu de novo e afundou até a cintura. Quando viu que ia perder a terceira, pediu para o irmão trazer seus amuletos. Enterrado até o pescoço, Setna jogou a última bem devagarzinho, até que seu irmão voltou com os amuletos e os colocou em sua testa. O feitiço foi desfeito e ele fugiu dali.

Enquanto lia o livro, Setna viu uma mulher maravilhosa passando, apaixonando-se imediatamente e pedindo sua mão em casamento. Ela exigiu que ele matasse sua esposa e filho. Hipnotozado por sua beleza, Setna obedeceu. Mas em seguida a mulher sumiu. Então ele acordou, tinha sonhado com tudo aquilo, uma advertência para que devolvesse o livro de Thoth o mais rápido possível. Assim foi feito, e nunca mais se ouviu falar no livro de Thoth. Em tempo: o amuleto era um besouro.

Acho que há coisas que fogem da nossa compreensão e que devem permanecer na obscuridade. Espirais que nos levam alto demais, alto demais para nós, tão avançados cientificamente, tão primitivos espiritualmente. A bomba atômica seria uma página do livro? A Humanidade é uma criança brincando com um isqueiro, um galão de gasolina e uma arma carregada.
Setna deixa a tumba com o livro deThoth

5 comentários:

Antonio Augusto disse...

Achei muito interessante este texto de mitologia. Isso me fez despertar profundo interesse na sabedoria que ela nos transmite de forma tão sutil.Continue postando mais textos para que possamos refletir sobre a vida.

Enoisa disse...

Como achei vc? Mermão, difícil lembrar!! rsrsrs E vc tem 10 bichos de estimação? Que legal!! Vim desejar um ano novo cheinho de alegrias, paz e muiiiita saúde! Depois volto prá ler com calma. Li ligeiro e gosto demais de mitologia. Adoro histórias!! Beijos!

Lidiane disse...

Eu gosto demais de mitologia. Qualquer uma, qualquer panteão.
Adoro ler sobre o tema. E, também gosto de quando você fala sobre o assunto em seus posts.
Agora... dez bichinhos? Caramba!
Acho que gatos combinam com o nome Horus, cachorros com Amon.
:D

Beijos, Rumble. Que 2007 seja mágico para todos nós.

Lidiane disse...

Só uma coisinha: não é Horus na primeira ilustração?

rumblefish74 disse...

Não, é Thoth mesmo, o bico curvo confirma; Horus tem cabeça de falcão. Beijos, Lid e toda a felicidade do mundo em 07.