sexta-feira, 29 de setembro de 2006

Maternidade

Agora são seis da manhã. Passei a noite em claro porque minha gatinha grávida estava dandosinais que ia parir, procurando um cantinho mais recluso e miando para mim de forma diferente - quem tem gato sabe que a diversidade dos sons que emitem é tamanha que não seria loucura dizer que eles têm seu próprio idioma. Estava preocupado pelo de ela ser muito nova, apenas 14 meses, a demora em parir me deixou ainda mais preocupado. No entanto, minha vizinha, que é veterinária já havia me advertido sobre a duração do trabalho de parto. A bolsa estourou lá pelas 3:30 ou 4:00, podia ver na carinha dela que aquilo doía, tentei dar uma ajuda massageando o abdome, mas nada. Então deixei-a sozinha por alguns minutos no meu quarto, no segundo andar da casa, e desci para ligar para uma clínica veterinária e fui tranquilizado, o processo era aquele mesmo. No que eu desliguei ouvi um miado: era ela do meu lado já lambendo o filhote recém nascido. Ela saiu do cantinho aconchegante que tinha arrumado, para parir no chão frio, só para que eu ficasse perto dela! Coloquei-a numa caixa de papelão revestida de jornais e um cobertor velho e pouco depois já nascia o segundo filhote.

Não sou neófito no assunto: a própria progenitora dessa mãe já havia dado cria em minha presença, só que no veterinário. Tomei uma facada de quase R$ 500,00 e minha vizinha falou que aquilo não era necessário: a mãe fazia tudo. Esse parto confirmou o que ela disse e me despertou para umas divagações...
A Deusa Afrodite, museu do Louvre

Apesar do que alguns dizem, que na verdade são as mulheres que estão atrás dos grandes líderes mundiais que realmente tomam as decisões mais importantes, acho que são exceções. Vivemos em um mundo patriarcal, masculino desde sempre, e vejam só no que deu... Aos poucos as mulheres estão conquistando seu espaço e espero que conquistem muito mais. Meu único temor é que para alcançarem o poder tornem-se masculinizadas, cometendo os mesmos erros dos homens. O mundo precisa ser mais... feminino. Em momentos de crise, em geral os homens partem para o confronto, enquanto as mulheres buscam o diálogo. Seus genes guardam uma natureza agregadora, não-violenta, graças ao fato de serem as responsáveis pela perpetuação da raça humana. Acho que é hora de darmos espaço a elas e desejo que não percam os atributos que as distinguem do sexo oposto. Power to the Female!

5 comentários:

Lidiane disse...

Vontade de te dar um beijo respeitoso na bochecha por esse post.
;)

Obrigada por todas as mulheres.
E também acho que precisamos ser mais femininas. E isso não é sinônimo de fraqueza.

Beijos.

Darwin disse...

Ah, sim, sim. Eu prefiro as mulheres, de longe. =)

Let disse...

Nossa... que gracinha!
Emocionante seu relato... nunca tive gato ou cachorro e nem sei o que é isso, mas lindo vc falar que ela quis ficar perto de vc.

Sobre ela fazer tudo sozinha, comecei a escrever um post sobre gravidez mas acabei não terminando. Os homens(seres humanos) tem mania de se intrometer na natureza. Deixe ela sozinha para vc ver o que acontece!

Let disse...

ah! Que bom que gostou do meu texto! Sou colunista de um jornal on line do RJ, resolvi mandar o texto e troquei algumas coisas, nem sei se iria perceber (troquei todos os parágrafos de lugar e acrescentei algumas coisas, se não perceber, te mato!)

Bia disse...

Por mais que eu ame animaizinhos, tenho um cachorro, não sei se teria coragem de assistir um parto assim. Mas ótimo saber que correu tudo bem, eu provavelmente teria levado uma facada do veterinário...rs.
E bom saber que você já tem uma presença feminina tão forte em casa ;-).